PODOLOGIA

Alguns pés têm necessidades especiais – o pé da criança, o pé do desportista, o pé do trabalhador, o pé do idoso, o pé afectado por doenças.

Os pés das crianças estão ainda em desenvolvimento e são frágeis. Eles podem ser facilmente afectados pelo uso de calçado mal ajustado. A examinação precoce do pé da criança é uma medida preventiva. Desgaste anormal do calçado; mau apoio dos pés, alterações dermatológicas, como por exemplo verrugas, alterações das unhas, alterações da marcha, dores nos pés, tropeçar frequente, são sinais de potenciais problemas.

O diagnóstico e o tratamento precoce do pé da criança é fundamental para assegurar um crescimento correcto e prevenir o aparecimento de alterações estruturais e funcionais.
O crescimento e desenvolvimento do pé da criança devem ser acompanhados pelo Podologista assegurando um tratamento especializado e personalizado.

As actividades desportivas – caminhar, correr, saltar – acarretam uma grande demanda física para o corpo, muito mais do que as actividades normais do dia a dia. Enquanto corremos, os pés podem absorver até 3 vezes o peso do nosso peso. Assim sendo, não é surpreendente que as alterações patológicas do pé e do membro inferior constituam uma grande proporção das lesões desportivas. Os Podologistas compreendem a estrutura e o movimento do pé. O diagnóstico precoce das patologias dos pés é indispensável para proporcionar uma melhor qualidade de vida e um melhor rendimento desportivo.

Durante o período laboral, os nossos pés podem percorrer até 24 quilómetros num só dia, assim como absorver toda a carga associada à especificidade laboral de cada um de nós – andar, correr, levantar, subir e descer escadas, levantar pesos, conduzir maquinaria ou veículos, passar longos períodos de pé, etc.

Aproximadamente 20% de todas as queixas de saúde nos locais de trabalho estão relacionadas com lesões dos pés. Pesquisas demonstram que os problemas dos pés relacionados com o trabalho estão muitas vezes associados à inadequação e fraca qualidade do calçado.

Quando alcançamos os 50 anos de idade, os nossos pés percorreram 86.000 quilómetros, fazendo com que fiquem mais susceptíveis a doenças e lesões. Estudos clínicos demonstram que a partir dos 50 anos, estamos 80% mais susceptíveis ao desenvolvimento de artrite do pé e do tornozelo, assim como, 90% mais sujeitos ao desenvolvimento de deformações das articulações do pé e dos dedos dos pés.

As pessoas com diabetes estão em risco de desenvolver problemas sérios nos pés pelo facto de apresentarem alterações inerentes à doença. As alterações do aporte sanguíneo e as alterações degenerativas dos pés e das pernas diminuem a habilidade de lutar contra as infecções. Estes factores em conjunto, contribuem para a diminuição da capacidade de cicatrização de feridas. Consultas de rotina são vitais para a saúde dos pés do diabético. A Associação Portuguesa de Podologia recomenda pelo menos uma consulta a cada 12 meses.

É recomendado que visite o Podologista sempre que:

Sentir dores nos seus pés
Passar longos períodos de pé
Observar problemas na pele ou unhas (unha encravada, alteração da cor das unhas, calosidades, alterações da pele)
Sofrer de mau odor dos pés
Detectar um ferimento nos pés
Apresentar problemas de saúde tal como a diabetes, artrite reumatóide, problemas vasculares
Tropeçar ou torcer os pés recorrentemente
Tiver dificuldade em calçar sapatos devido a alteração da forma dos dedos

PODÓLOGOS:

Olivério Gonçalves
Amieiro, Tocha, Vilarinho do Bairro e Granja do Ulmeiro

Tânia Cardoso
Amieiro, Tocha, Vilarinho do Bairro e Granja do Ulmeiro